Luzes da Cidade

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Despejo

AD Gloriam
Pela Gloria
Fernanda Rodante
( mesmo no despejo das horas...)




Não tenho mais quarto!



janela!



sôssego!



contemplar de estrelas!



revoadas de pássaros!



espaço



para dormir



e sonhar



e também vígilia



- noites sem dormir -



furtos noturnos na geladeira.



Não tenho mais guarda-roupas!



Um jeans Wrangler



dorme agora azul desbotado



sobre o chão estatelado.



Uma camiseta pólo vermelha



com o seu falso jacaré de emblema



abraça um desgastado par de tênis



e um sómbrio guarda-chuva negro



se esconde,



retorce as suas varetas



num canto qualquer da parede



com sêde de chuva.





Não tenho mais gavetas!


tudo agora se acomoda em improvisos


em sarcásticos risos


flagrados nos cantos dos lábios.


O vidro vazio de perfume


que há muito tempo


já se dissipou


rola sobre o piso


sem direção.


Os cartões postais espalhados


- dispersas viagens quase sem lembranças -


As cartas de amor vencidas!


O Bandaid que já não cola, não adere


e nem sara mais as feridas do tempo.


Não tenho mais escrivaninha!


Uma linha sequer de consolo.


Acabou-se a tinta!


o mata-borrão,


os papéis de rascunhos


e os manuscritos esquecidos


em uma pasta qualquer.


A desordem me atordoa,


enquanto a minha imaginação voa...


e te procura doce amor!


Onde tu se encontras


dentro do invólucro de alumínio


do chocolate que comprei


no mais recente domingo,


de malas prontas para partir ou voltar,


em qual cidade, em que rua,


em qual recinto, em qual móvel?


Eu te sinto apenas no ar...




Olhando o teto do quarto,



concentrado no giro frenético



de um inseto compulsivo



em volta da lâmpada.



Ouço um barulho!



é uma paisagem que caiu da parede.



A moldura que se fracionou e



juntou-se aos outros detritos!



Ah! doce amor



eu te sinto apenas no ar...que eu respiro



Te engulo agora



ventríloquo



junto com o café



todo este aroma



que desperta os sentidos...



te engulo agora



com a providencial aspirina...



para suportar a naftalina



que um velho guarda-roupa deixou para trás.


Preciso de roupas novas!


de tuas mãos delicadas


retirando as etiquetas ainda coladas,


tecendo carinhos sobre elas


até descobrir a minha carente pele.


Estou ao relento!


sofrendo as rajadas de vento


- toda a sua fúria -


Preciso tanto do teu calor!


Onde tu te encontras doce amor?


No despejo das horas...

Um comentário:

helen ps disse...

Triste retrato da solidão, melancolia... e no entanto belo. A arte tem dessas coisas.

PAZ e LUZ

Salve