Luzes da Cidade

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Whithout you


Without you

I am which a bookshelf without books

books without back of a book

without ears

without pages

without letters

without content

without you

without you I am not nothing

I am only turned page

an interrupted phrase

a contaneid emotion

a frustrate desire

a lost point

in a deviated paragraph

Without you

Without you I am not nothing

I am only one attempt of romance

an abortade personage

a novel without tram

a story without surprise

a meaningless poem

an assay on the failuree

nothing more

without you .

segunda-feira, 14 de abril de 2008

O Túnel do Tempo















Baby me espere num dia qualquer de 68





depois que as aulas terminarem.





Estou muito ansioso para esse encontro,





mas, sincero, confesso:eu não estou nada pronto,





Tremo da cabeça aos pés!





contudo preciso que seja para ontem





tenho medo de perdê-la para sempre





nem me contem





num dia qualquer de 68.





Estou afoito!





acho que eu vou morrer ainda moço





como morrem a maioria dos poetas





casemiros,castros e carneiros





sugados pelos próprios versos





doentes e suícidas que criam em seus universos.





Já sou um adolescente manifesto!





Milhões de hormônios me dominam





Espinhas brotam no meu rosto





O Forte Apache e o Ferrorama já não são mais relevantes.





Eu quero sentir mesmo nesse instante





o gosto do primeiro beijo,





mas tem que ser com o seu desejo





se não terá nenhum efeito e,





tem que ser com você





que é a garota mais linda





que eu não enxergo nenhum defeito





para que eu possa lembrar





a minha vida inteira.





Seus lábios me lembram um pote de cerejas em conserva:





doces e maravilhosamente vermelhos.





Seus lábios são molduras cintilantes





de um sorriso encantador:





32 alvas pérolas





que o meu echarpe de seda sonha





e espera por elas ser rasgado.





Baby me espere num dia qualquer de 68





num lugar afastado que seja ocupado só por nós dois.





O mundo está mudando!





Li nos jornais e revistas





que as revoluções





estão acontecendo dia a dia...





acompanho, boquiaberto, perdido...





qual uma ovelha negra no rebanho,





Não entendo quase nada de política,





ouvi dizer que ela influi em nossas vidas...





li num artigo





que vivemos reprimidos pela ditadura





que em seus porões





ocorrem terríveis torturas...





li, em outro tópico,





que devemos ficar calados, pois a lei é dura





e não atura atos rebeldes...





devemos ficar calados, evitar os grupos





para não sermos os próximos martíres...





dias depois fiquei sabendo





que o jornal que publicou essas notícias e conselhos





era de esquerda





e a sua redação foi incendiada...





também soube que artistas, escritores, cantores e jornalistas





bateram em retirada...





no outro jornal li receitas de doces





e poemas de Camões,





escondendo notícias censuradas...





soube que Martin Luther King





e Robert Kennedy foram assassinados





e que Bandeira, um velho poeta, de versos sempre jovens ,





também morreu.Nada desse mundo dura para sempre,





porisso quero aproveitar





todo o tempo que a vida me reservar





para interpretar toda a sua beleza e





todo o seu encanto!





Baby, para espairecer, liguei a tv





para assistir o seriado O Túnel do Tempo





- outro fascinante enlatado norte americano -





Eu queria entrar nessa fantástica máquina





de círculos negros e claros intercalados





para saber onde você está agora?





para lhe entregar um bilhete apaixonado,





convidando-a para um encontro





num dia qualquer de 68.





Esse dia vai ser, com certeza,





diferente de todos os outros dias que eu vivi.





Baby me espere num di qualquer de 68,





pode ser num sábado em um junho gelado





dentro do Colégio Sagrado Coração de Jesus





numa quente e acolhedora festa junina





e, então, vou mandar prender o seu coração menina!





Vou mandar pelo Correio Elegante





a minha primeira poesia





e, quem sabe, você possa gostar e





querer saber quem é que assina





esse bilhete lambuzado pela maçã do amor.





Vou colocar a minha melhor roupa,





vou estar bem perfumado





com um discreto Yardley borrifado





sobre os meus pulsos





e, se você responder o primeiro recado,





vou lhe oferecer mais pistas:





estou de negro moleton,





camisa pólo vermelha- a minha cor preferida -





e de jeans Lee creme que fica tão lindo,





quando a luz negra o encontra e o focaliza





e um par de sapatilhas A dam's -zero bala -





muito confortáveis, prontas para seguir





os seus passos de bailarina.





Um noite eu sonhei





que eu entrei dentro do Túnel do Tempo





no primeiro episódio





e fui arremessado





para dentro do fantástico Titanic





em sua última viagem





Meu Deus que pavor!





quando o iceberg estraçalhou o seus casco





num impacto fatal





E agora como eu vou sair,





como eu vou me salvar!





se nem ao menos sei nadar





e, mesmo se soubesse, não adiantaria





tal a fúria do mar!





Estou nas mãos frias da Morte!





Ufa! que sufoco! até você chegar, me despertar e me socorrer





Foi só um pesadelo





que me pegou desprevenido





como gostam os piratas.





Baby me espere num dia qualquer de 68





antes que ele termine como os outros





repletos de expectativas que não se concretizam





- dias envolvidos pela neblina da melancolia - .





sábado, 12 de abril de 2008

BALLET DANCER

Degas
I try to follow your movements

but I do not obtain

light and shades that if alternate in your dress

for the soft flanks of you magical body

The false brightness shortout

of this feminine labyrinth

blind and its rubs my eyes in chimeras

torpifyed

Fernanda loans to me your eyes rolling

so that I can catch all the mysteries of this dance

of this adult body pure countenance of child

glad it has led

soon breeze

romantic gale

quarta-feira, 9 de abril de 2008

alfabETo


te Amo
te Beijo
te Chamo
te Desejo
te Espero
te Flerto
te Gravo
te Honro
te Insisto
te Juro
te Kms e quilometros procuro
te Lembro
te Miro
te Necessito
te Ouço
te Pertenço
te Quero
te Respeito
te Suspiro
te Transformo
te Uno
te Venero
te Way passo a passo
te Xereto
te Yesterday, Hoje e Amanhã
te Zelo no zigue-zague do tempo.

sábado, 5 de abril de 2008

Mint Tablet


Who life will see!

I said my friend:

one day...I do not know when...I go to declare myself

and it said does not make this

you go to hurt yourself very

because it nor knows that you exist.

It had reason,baby - that squeeze in the heart to agree

I age only one admirer

of that pretty girl in flower form

perfect tooth owner and a seductive smile

that all the morning, in the hour of the recreation

in way to as much people and commotion,

it bought, in the canteen, tablets of mint,

while I, half hidden, was only one silly boy, baby

that in the eagerness to demonstrate my love

it dreamed for the less to be a tablet and to prove your lips,baby

Who life will see!

I said, confidence to some friends:

One day, I do not know when...I go to declare myself...

They had passed many years...

many steps...ways...shortcuts...labyrinths...

and was the know in the throat

in the dry throat unprovided of any tablet of mint

to refresh as the breeze of the morning

until I found it,baby, of the form most unusual

in a computer screen

in a page with few tracks

difficult access

but that is must also shelter dense and pretty content

now it knows that I made of everything

for to one to declare me day.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Elegía aos Hipócritas

Ana Cristina Souto é a dona da comunidade Jornal de Poesia http://www.jornaldepoesia.jor.br/ACSouto.html
Ana Cristina nunca real e sempre verdadeira. Nada mais justo do que ela ser a detentora dessa comunidade, porque ela ama a poesia e sabe usar e abusar toda a energia que ela emana.
Eu me identifico com ela pela sua rebeldia, pela sua anarquia, pelo seu despojamento,pela evidência que, às vezes, não pertencemos a nós mesmos e somos movidos pela paixão que desconhece o límite!
Ana Cristina Souto


Vem aqui, amorzinho!
Quero contar-te segredinhos
fazer-te sonhar acordadinho
enclausurar-me em teus braços
devagarzinho.


Vamos ali, amorzinho!
Ausculta em minha barriguinha o
burburinho
são pequenos cataclismos no meu
ventre
que só você sabe,
que é desejo de ti
- meu tormentinho


Juntos
não envergamos
pois temos um, o ombro do outro
bebemos do mesmo rio
comemos 1 kg de sal
rimos de si mesmos.


Posso gritar nos canaviais
botequins
hospitais
que sou feliz assim


Sou atriz, figurante, cenário
ambulante
sou tua menina/tua princezinha/
tua cafetina
tua mulher, tua amante ou
peregrina


- Tua regressão infinita...


-E o que diriam os hipócritas?


- Ah! Meu amorzinho
o que seria desse mundinho
sem a presença tosca desses seres
mesquinhos?


Estou com sono!
Que tal mais um Martini?
Ah! você prefere um strip-tease?
Tudo bem!
Mas depois da lúdica fantasia
diga que me ama ou que me odeia
pois dormir à lua cheia
certamente há de acordar uma
cachoeira


Ah! Amor Vagabundo esse nosso!


Amo cada canalhice tua
e de pirraça corro nua
só para mostrar ao mundo
- enlouquecidamente que sou tua!


Morram de inveja, bando de
hipócritas!


Mas antes que a vida vire cinzas
a areia invada os teus caixões
as heras tomem conta do mármore.


das tuas câmaras mortíferas
os vândalos pichem obcenidades;
fazendo tremer de tanto remorso
os teus inúteis cadáveres;


- chamem tuas mulheres de
messalinas;
teus homens de cafajestes.


Ah! Seres insencientes
Ordinários...Entediantes...
Acendam tochas!
Esmaguem as máscaras!
Chutem os baldes!
Ergam-se!


E sejam felizes
por pelo menos
5 minutos


Ou continuem envergando a
bengala
com o peso indizível
da hipocrisia instaurada!


http://nasescuridoes.blogspot.com/

ESTEEM

O tempo passa de Manabu Mabe
You are and better verse will always be mine
my most perfect one rhymes
my perpetual inspiration.
In is tender presence
or in its absence
face and reverse
a poem will always be germinate
inside of my heart.
A dream when it is become fullfilled does not have price,
but I can pay I appraise with it and my devotion.
One reunion is more than a meeting
it is an accumulation of emotions!
How to manifest everything this in a word that is the joust rhymes?
I found and for you that it did not desdain my pure feelings
I say
they esteem...teem...rhymes...and...refine.

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Queridos Amigos

Esta mini-série resgata o sentimento da amizade: revela a força e, ao mesmo tempo, a vulnerabilidade de um grupo de seres humanos tão heterogêneos, que têm, em comum, o sonho de conseguirem o êxito pleno em suas vidas, o mais urgente possível porque somos, irremediavelmente, efêmeros e, nem mesmo sabemos, por quanto tempo seremos contemplados com a vida terrena.
O tempo não pára...o tempo não pára(já dizia a letra de uma canção de Cazuza) e sempre nos dispara surpresas!
Queridos amigos,

entre mortos e feridos,

estamos aqui novamente reunidos,

após forçados exílios ou auto-exílios consentidos.

Estamos aqui novamente reunidos

por nossa livre vontade,

prestando contas dos nossos destinos,

dos nossos fantasmas covardes ou heróicos

que atravessaram as paredes do Tempo,

distantes e desencontrados,

quase sempre clandestinos,

tentando viajar

por lugares desconhecidos.

Vamos brindar!

a nossa eterna juventude

que mora em cada um de nossos corações

junto com as arraigadas inquietudes.

Vamos, enfim, revelar todos os nossos segredos:

os frutos podres dos poderes

que um dia pensamos ter em nossas mãos,

em nossos pretenciosos dedos

e os raros frutos tenros

que nós realmente colhemos e provamos,

desde as cascas até as sementes.

Vamos mostrar nossos atos covardes, heróicos,

líricos, súblimes, mesquinhos, obcenos, violentos,

pacíficos e abismados.

Vamos!

lúcidos ou embriagados

destilar os nossos venenos e bálsamos.

Vamos, enfim, revelar

as nossas cartas ridículas,

repletas de súplicas de amor;

cartas escritas até à exaustão

até que a caneta ficasse carente de tinta

e a sua pena brilhante

ficasse empalidecida

e, tombasse adormecida,

após o mergulho suícida no tinteiro,

sobre a folha de papel tão fina,

saturada de palavras e segredos do coração,

que mal conseguia o seu peso segurar

e não dispunha de nenhum mata-borrão

para absorver e sufocar os respingos dos ressentimentos.

Vamos jogar as nossas cartas sobre a mesa,

esparramar todas as nossas ansiosas fichas,

todos os os nossos presunçosos blefes,

todos os nossos ilusórios trunfos

e todas as nossas cartas escondidas

nas mangas já encolhidas do tempo.

Assim devemos fazer!

lavar toda a roupa suja:

aquelas primeiras camisas de fio escocês,

aqueles echarpes de seda,

aquelas calças coloridas saint-tropez,

os primeiros jeans desbotados,

aquela blusa de cashemire enxarcada

de pinho silvestre italiano.

Aquelas camisas caras da boutique Candelabro

que jamais sentiram o afago desejado,

o echarpe de seda que ela nunca tirou

com os seus dentes perfeitos do meu pescoço

que tantos torcicolos a sua beleza provocou.

O lindo vidro verde esmeralda

que guardava a essência das florestas,

onde eu escondia os meus primeiros desejos de amor,

gravado em letras douradas teve um fim inesperado:

um dia o atirei com toda a força da minha frustração

contra a parede

e ele todo se despedaçou.

Estilhaços de um jovem e rebelde desabafo.

Vamos revelar!

os nossos atos adolescentes, inúteis e

inconseqüentes.

A raiva, um dia, se apoderou do meu quarto

e o silêncio concentrado

gritou e ecoou em todas os corredores e ambientes,

mas, exausto, sentei sobre a minha cama, adormeci,

sonhei e mais uma vez...

a sua doce lembrança...

me salvou...

e eu despertei como se desperta uma esperança!

( cada dia que passa esta garota

se torna mais linda em minha vida)

quem sabe, um dia, ela sinta

o aroma do meu verdadeiro amor

e que ele, enquanto secreto,

jamais se contamine pela acidez e corrosão do tempo,

Vamos brindar!

a nossa eterna juventude

de cara suja e alma limpa,

vestidos com os nossos velhos jeans,

esfregados em tantas aventuras

e camisas surradas por tantas jornadas

de sol, chuva, suor, risos e lágrimas;

Vamos brindar!

calçados sobre os nossos velhos All Star's

desgastados pelos caminhos

que conseguiram furar

até as suas próprias estrelas,

sem piedade, como se furam os olhos de um pássaro.

Vamos brindar!

queridos amigos

a nossa eterna juventude,

ou melhor, o que dela sobrou;

a juventude que areja as nossas mentes,

que fareja as nossas sementes

lançadas ao sabor dos ventos.

Onde foram parar os ossos sonhos?

Vamos brindar!

queridos amigos

apesar dos perigos eminentes,

do represar das mágoas impertinentes,

do possível estremecimento das relações

já tão ausentes.

Vamos brindar!

a eterna juventude

que mora em nossos corações

e, que mesmo sofrendo o revés,

tantos avisos de despejos,

recorreu à todas as instâncias

e persistentes desejos

para se conservar intacta

e a mais pura possível,mesmo sendo,

aparecendo em rápidos lampejos,

afinal, somos humanos!

não temos sangue de barata

correndo em nossas veias.

Queridos amigos

vamos brindar!

enquanto sentirmos a vida

pulsar e vibrar em nossos peitos,

enquanto tivermos o direito

de contemplar a natureza,

absorver a luz e o calor do Sol;

sentir o mistério e a paz da noite,

enquanto sentirmos a pele de outra pessoa

num abraço sufocado de paixão

ou num simples aperto terno de mão

ou mesmo num aceno

que nada poder prometer.

Queridos amigos!

entre mortos e feridos,

entre flores, pedras e espinhosvamos caminhar juntos,enquanto podemos acompanhar, mesmo entorpecidos,

a direção de nossos próprios destinos

e o paradoxo de nossos extremos.


Drizzle


Gouts shining

they fall of the sky

on heads and hats

they form transparent puddles of water

an the sliding streets

and renews landscapes lusterless

while the busy fists of the passer-bys

for the handles of the umbrellas

with it poetical rods

they are closed against the violence

and waves affections.

KING KONG

O primeiro filme que eu assisti em super 8 foi King Kong , quando eu tinha uns cinco anos, na casa do Tuca, na Móoca, onde eu nasci, proximo ao Juventus, clube que eu amo, todo vinho, grená e todo "moleque-travêsso"
Se até o King Kong pode se apaixonar

E se esta paixão faz um gigante desmoronar

Imagine então se ele fôsse um simples anão

o que poderia suceder?

Veja o seu olhar cheio e molhado de ternura,

o seu sorriso símio,

que nem precisa exibir os dentes fortes, brancos e resistentes

Veja os seus pêlos eriçados de felicidade

estão brilhantes!

Um King Kong com todo o seu porte e fortaleza

descobriu a sua fragilidade

e sonhou tomar os braços de uma princeza!

Colocou-a sobre a sua mão grande e negra

e experimentou o poder de um carinho.

Se até um King Kong expõe sem pudor

as suas carências e carícias;

joga fora todos os esteriótipos, máscaras e aparências

se lixando ao mundo, quando fraqueja,

acariciando os cabelos de seda da sua eleita princeza

por que eu- uma formiga comparada com a sua magnitude -

também não posso cair aos seus pés

e ser escravo dos seus encantos?

Salve