Luzes da Cidade

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Enquanto o seu Príncipe não vem...


Permita-me!
ser-lhe cortês mais uma vez,
enquanto o seu príncipe não vem...
Permita-me!
que eu seja um Falcão Maltês
que saí das suas tiras
e entra na aventura do seu reino.
Permita-me
contemplar a sua beleza
que escorrega sobre a sua pele
e a toalha vermelha que, suave, a recorta.
Quero ser
o fiel súdito de sua beleza
que, de súbito,fica fascinado
ante mulher tão adorável
- dama que faz do simples o raro -
e provoca inveja e intrigas
em todos os espelhos em que se mira,
em que se confronta,
enquanto o seu príncipe não vem...
Eu sei...
ele vem acompanhado
com um excelente cavalo branco
- um animal jovem, vigoroso e selvagem -
audaz
capaz de todas as peripécias
para agradar o seu cavaleiro;
capaz de adivinhar todos os desejos
da sua amada...
capaz de despertar disputas acirradas
- lutas sem fim -
entre todos os seus súditos.
Permita-me!
ser-lhe cortês mais uma vez
e lhe estender o tapete vinho,
passar o seu vestido de linho.
engomar o tempo,
travar o caminho
só para o cavalo branco
descansar um pouco
do longo caminho que um príncipe
precisa para encontrar a sua amada...
Ele virá de alguma maneira :
n'um caminho suave
ou aos trancos e barrancos
ou nas asas de Saint Exupèry...
ele chegará
pelo centro ou pelos flancos
porque toda princeza merece...
um Príncipe Valente,
um Príncipe Encantado...
mas enquanto o seu príncipe não vem...
permita-me!
ser mais além do que um fiel súdito
e, de súbito, beijar as suas mãos!


Um comentário:

Laura disse...

Mágico e belo poema,uma viagem para
o universo encantado,se fechar os olhos,chego a sentir o aroma das flores.
Sem palavras,só sentimento...

Salve