Luzes da Cidade

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

PLUMA

A PLUMA
GOTEJA
O SANGUE NEGRO
SOBRE O BRANCO ESPAÇO
A PLUMA
DESCANSA
MESMO ASSIM
AINDA GOTEJA
ESQUECIDOS TRAÇOS
A PLUMA
SE ARRUMA
DEPOIS
ELA SE APRUMA
EM ALGUMA MÃO
EM DEDOS
ACESSÍVEIS
SENSÍVEIS
À SUA PENA
PARA ENXERTAR
NOS POROS DO PAPEL
QUE LHE CONCEDA
O NEGRO VÉU
DE FINA SEDA
OS VERSOS
QUE ESCORRERAM
DO CORAÇÃO TINTEIRO
INTEIRO
A PLUMA
SE ESPALHA
CRIA ASAS

Carlos Gutierrez


Nenhum comentário:

Salve