Luzes da Cidade

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Arrasto Uma Asa

Arrasto uma asa
a cauda inteira de um cometa
a ponta da mais longíqua estrela
o planeta ainda não descoberto
Arrasto o sofá e as cadeiras inquietas da sala
para podermos dançar a música que resvala
o silencio que compactuamos
Arrasto todas as nuvens
para o céu ficar totalmente claro
aí eu me declaro como o sol
que perde a lua
mas flutua em raios
num sonho qualquer
Arrasto uma asa
ou mais
quantas eu puder
por você anjo mulher
arrasto arrasto me arrasto
ao próprios pés do meu carrasco
que às vezes se chama amor, outras vezes paixão
mas sempre traidor e cadafalso
cada vez mais falso...
mas é a única corda que eu tenho de verdade!


Carlos Gutierrez

Nenhum comentário:

Salve