Luzes da Cidade

quarta-feira, 5 de março de 2008

Calor e Calafrio

Gosto muito de ti
mais do que eu deveria gostar.
Sei que os degraus desta escada
jamais devo confiar,
mas eu insisto em subir
esta clarabóia que me leva
a paranóia de querer levitar.
Sei que os meus passos em falso
me levam ao meu próprio cadafalso,
mas decidi me arriscar.
Vou superar o medo de altura
e vertigens,
atravessar os límites e os muros,
pois eu sei que um ser se apura
nos apuros que a vida reserva
e, quem ama não foge, não se preserva,
pois o amor é uma janela aberta sempre,
exposta à luz e às tempestades
( abra o pára-quedas!
solte a asa delta!
estou pronto para decolar!)
Te abraçar em terra firme
ou em agitado mar.
O que importa, abre a porta
é poder te encontrar.
Quando te vejo
te sinto nos arredores de mim
em puros acasos ou ternas lembranças
ou acalentadores sonhos


ou mesmo nas espirais de um incenso de jasmim.
Fico assim transtornado
páraquedista de primeiro salto
sinto calor e calafrio
com os olhos maravilhados de uma criança
próprios de um ser apaixonado
que ao mesmo tempo
é um avião a subir
e um navio a afundar:
é um campo florido
e um deserto sómbrio.
Calor e calafrio
este rio é um arrepio
este arrepio é um rio
e o meu corpo é um navio
e o teu corpo é o porto
que estás tão longe,
mas o teu olhar é o meu farol:
o meu farol é o teu olhar
Tu és um sonho de luz
eu sou o navio... a te procurar.
Tu és uma forte paixão
eu sou o insistente pavio
disposto a detonar
toda a emoção que não quer mais ficar
nas paredes ensangüentadas do meu coração.
Não sei se me exponho
ou com minha dor vou mergulhar.
Não sei se me revelo
ou vou me ocultar
sob as asas de um avião audaz
ou mesmo no convés
no porão sómbrio de um navio,
mas sempre é belo te recordar.
Esta cama é um simples barco
que sonha um navio
que vira o próprio mar
e, este lençol é a vela que me leva
ao sol do teu olhar
e, esta manta é o teu corpo
a me desejar
e, afastar a pirata solidão.
Vale qualquer ato,
qualquer sacrifício
para o artifício de te amar.
Um simples barco vira um navio,
uma solitária lágrima vira o mar.
Calor e calafrio
faz melhor o meu sangue circular
Calor e calafrio
mais uma noite eu te sonhei...
mais um dia acordei...
para ver outros navios...
e uma provável sereia...
nas tórridas areias
do desejo de te amar.

Nenhum comentário:

Salve