Luzes da Cidade

quarta-feira, 12 de março de 2008

La Gôndola


Tio Giovanni e Tia Julieta


A sua filha Isela sempre sorridente


abrem as portas de vidro da lanchonete "La Gôndola"


e logo ela fica pequena, comprimida, por tanta gente


que nela frequenta!


Esquenta a chapa! Preparem os copos!


Turma para ser realmente Turma!


tem que ser assim mesmo!


um grupo sempre heterogêneo


- a reunião e partilha de personalidades


antagônicas e diferentes.


Saí um milk-shake!


Eu fui atraído como uma criança atraída por um doce


ainda não provado - o sabor do pecado -


e começei a freqüentar e, me tornei assíduo...


Batia o ponto todos os dias!


sem me importar com as condições do tempo


- calor, chuva, garoa fria -


nada impedia o alegre retorno ao forno


da minha juventude em ebulição.


Ficava todos os dias de plantão


encostado em uma das portas de vidro


para ver se a garotinha linda de franjinha,


de uniforme marron, toda delicadinha,


iria passar pela Galeria Oliveira Lima.


Às vezes, ela passava...mas nem me percebia...


e eu sabia que jamais ela iria entrar nesta lanchonete.


Ela é uma garota exemplar!


Linda! aplicada nos estudos!


e de um nível social bem elevado!


Ela não precisa se mostrar aos outros


porque ela, por si só, já brilha demais!


E assim a vida seguia...


Eu e a minha turma


que a cada dia que passava


sempre abrigava e abraçava um novo integrante


em sua tropa.


Tio Giovanni e Tia Julieta


a voz forte e passional contra a delicadeza de gesto


e presteza em servir e apetecer


todos os gostos, todas as mesas.


Garçonetes Julia e Rosângela


e outras... mais efêmeras!


É difícil cair na rotina


na lanchonete"La Gôndola"


cada dia acontece uma surpresa


cada dia mais um rato em Veneza!


Um amigo que encontra um novo amor,


outro que confidencia a dor de perder alguém querido,


outro que engole sapo, outro que pagou o maior mico...


outros que apenas brincam...tiram o sarro...


outros que contam tantas doces e inofensivas mentiras!


A lanchonete "La Gôndola"


tinha este encanto


de juntar e aproximar tantas e tantas personalidades:


Eu entrei com a minha pureza e pouca idade


e, começei a descobrir o mundo real e desigual


que iria encontrar no futuro:


eu procurava o amor puro...


já havia encontrado!


mas estava só...e, então, procurei outros afetos...


Lula colecionava conquistas...


Douglas também...relações relâmpagos!


E eles me diziam: quanto mais conquistas você obter


mais a sua imagem vai brilhar!


Eu sonhava o amor único e eterno e,


sempre levava um caderno repleto


de poemas pretenciosos


e, em sua contra capa, desenhava corações,


onde gravava e entrelaçava o meu nome com o nome dela


O seu nome é lindo! CoqueTEL MÁgico de letras e sons!


Raul, mais experiente, de certa forma pensava como eu


e me dizia-sábias palavras-


no mundo, na vida, o melhor é tentar fazer o que é possível ser feito


com os reais recursos que temos em nossas mãos!


Sonhar não é proibido,


mas algumas vezes é melhor encarar, frente a frente,a realidade


com todas as suas limitações e duras verdades!


Norival e as suas traquinagens e rolos


os primeiros jeans cobiçados trazidos do Paraguai:


o recurso ilícito do clip amarrado no barbante


para ouvir, sem introduzir fichas, as músicas,


várias vezes, na vitrola mágica!


Tio Giovanni e Tia Julieta

muita gente para olhar e controlar

Verinha, a demonstradora, magrinha e espoleta

e sua amiga de ar sério Maria Helena,

Américo que estudava no Pentágono

e sonhava o Mackenzie...

Maury, Franco, Português, Vilma, Consuelo,

Regina, Ivone, Narciso, Zequinha...

e até o radialista Lombardi frequentavam

esta lanchonete mágica!

Maioneses personalizadas!

Sorvetes de várias marcas!

Papos furados e profundos!

Fernando e os seus filosófos!

Geraldo e o seu terno!

E eu perguntava ao Douglas...ao Zapinha...ao Américo...

qual baile vamos escolher?Tantos convites!

a casa da menina "patricinha" que estudava no Coração de Jesus

ou o porão improvisado de salão

com apenas um acanhado gravador de fitas magnéticas?

ou a quermesse brega do Clube do Rhodia?

Lanchonete "La Gôndola"

a concentração para as festas e os bailes noturnos:

Bochófilo, Clube Xadrez, Pan WD,

domingueiras do Ocara, Primeiro de Maio, Oito de Abril...

Santo André, a pé, pelas madrugadas...

que saudades!

Cabelo e o seu Mustang vermelho!

Alemão e o Clube de Campo!

Roberto e as suas cantadas!

Eu,Guto,e os meus primeiros poemas...

e algumas escapadas por outros lugares...

Boutique Saint Ethienne e a agradável Marina sempre falante...

Homero... Palácio...Celso...amigos constantes...

Boutique Candelabro - desejos de consumo -reunião de intelectuais!

Augusto Maciel! Literatura! Teatro! Taubaté...Geraldo Rosa...

Carioca...Zé Maria...Vagner Rampinha e as suas Nights Celebrations
O costureiro Lázaro e os seus amigos - primitivos gays-

Quantos fatos, quantas coisas para lembrar!

Esta gôndola vai ter que empreender muitas viagens...
































Um comentário:

Luciana disse...

Oi, Guto, eu sou a Luciana, filha da Tia Julieta e do Tio Giovanni, talvez você não se lembre de mim, pois eu tinha entre 5 e 8 anos na época da La Gôndola, mas eu me lembro de você vagamente. Minha guardou muitas fotos do lugar e eu consegui me lembrar de cada nome citado no seu caloroso poema. Bom saber que você guardou na memória uma época tão significativa para nós, os Velo. Obrigada, abraços!

Salve