Luzes da Cidade

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

? ( ou como definir o amor )

Um belo dia, desses que se vê quando o céu não cai, um ser que perdi o nome em meio as memórias me pediu pra definir o amor... eu gargalhei loucamente. "Que tarefa impossível!"
Mas resolvi, então definí-lo, com minhas singelas palavras:

Amor é quando
Quebra,
É quando cai no chão
E a gente cola com super bonder.
É o caminhão de mudança,
Com os armários e camisas.
Com vestidos, a louça chinesa
Cheia de jornal.
É o chuveiro, no verão
Em pleno inverno.
É peixe-vivo, que vive fora
D’água fria, feito carne louca
Em pão francês...
Se servido à mesa, feliz em morte pura.
É cigarro queimando,
Em frente ao ventilador.
É navalha em liqüidificador,
Limão em ensáio de metais e madeiras.
É o giz gritando
Na mão do aluno
À lousa.
É corte de faca no dedo
Que inflama e deixa marca
Pra sempre rever.
É começo de fim...
É alegria de palhaço
No circo que pega fogo
Pra quem gosta
De ver.


Bruna Moraes

Nenhum comentário:

Salve