Luzes da Cidade

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

PASTILHA DE HORTELÃ

Quem viver verá!
Eu disse ao meu amigo:
um dia...não sei quando ...eu vou me declarar
e ele dizia não faça isso
você vai se machucar muito
porque ela nem sabe que você existe.
Ele tinha razão ,baby - que aperto no coração concordar.
Eu era apenas um admirador
daquela garota linda em forma de flor
dona de dentes perfeitos e um sorriso sedutor
que todas as manhãs, na hora do recreio,
em meio a tanta gente e algazarra,
comprava , na cantina, pastilhas de hortelã,
enquanto eu, meio escondido, era apenas um garoto bobo, baby
que no afã de demonstrar o meu amor
sonhava pelo menos ser uma pastilha e provar os teus lábios, baby
Quem viver verá!
Eu disse, confidenciei a alguns amigos:
Um dia.. não sei quando...eu vou me declarar...
Passaram muitos anos...
muitos passos...caminhos...atalhos...labirintos...
e ficou o nó na garganta
na garganta seca desprovida de qualquer pastilha de hortelã
para refrescar como a brisa da manhã
até que eu lhe encontrasse, baby, da forma mais inusitada
numa tela de computador
numa página com poucas pistas
e difícil acesso,
mas dessa vez, não teve jeito, baby
você que eu conheci aparência e moldura,
mas que deve abrigar também denso e lindo conteúdo
agora sabe que eu fiz de tudo
para um dia me declarar.

Nenhum comentário:

Salve