Luzes da Cidade

domingo, 13 de junho de 2010

Moldura

Achegue-se bem perto,
encaixe-se perfeitamente nessa calma,
nessa preguiça das coisas antigas,
na cama de solteiro do meu quarto.

No porta-retrato já empoeirado
entre minhas pernas depiladas
nos meus sonhos descabidos,
em minha agenda acelerada.

Alastre-se em minha retina,
quando tudo for o mesmo.
Isso serve também pra rotina
desenfreada dos meus medos

Decore minhas feições,
imperfeições, meu lodo.
E continue ao meu lado.

Infiltre-se nos meus conflitos
Rode o bambole da minha paz.
Seja amigo dos meus amigos
Seja tudo o que for capaz

Cante o silêncio dos que se entendem
quando tudo for desgaste.

Invente comigo uma ciência
onde leste mais leste
pode ser norte.
Onde rubro mais rubro
pode ser azul.
Onde defeito mais defeito
pode ser compreensão.

E feito isso, eu retribuo
Lembrando você a toda canção.


Barbara Leite

Nenhum comentário:

Salve